Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais

Rede de mulheres comprometida com uma verdadeira Economia Verde

As mulheres do Sul da Ásia que trabalham em diferentes áreas, incluindo saúde, alimentação, meios de vida, meio ambiente, se reuniram em Dhaka, Bangladesh, em 2 e 3 de julho de 2011 para a Terceira Conferência Anual da SWAN (Rede de Mulheres do Sul da Ásia), que foi dedicada ao assunto de “Mulheres do Sul da Ásia e a Economia Verde”.

A declaração final da SWAN conclui que o conceito emergente de Economia Verde deveria significar “um sistema econômico que garanta justiça social e eqüidade, proteja o equilíbrio ecológico e crie suficiência econômica. Uma Economia Verde assim deveria substituir a atual ordem econômica, que se baseia em desigualdade, destruição ambiental e cobiça, que tem resultado em fazer com que quase a metade da população do mundo esteja na pobreza, e tem levado o planeta até o ponto de uma severa catástrofe ambiental através da mudança climática. A idéia principal de uma Economia Verde deve ser o alívio da pobreza, a sustentabilidade ambiental através da manutenção da biodiversidade e o bem-estar de todas as pessoas.

O Sul da Ásia é uma das regiões mais ricas em termos de diversidade biocultural, mas essa diversidade está ameaçada pelas monoculturas impostas através da Revolução Verde e a engenharia genética. Essas tecnologias não sustentáveis e fracassadas estão sendo impostas a nosso povo, causando-lhe mais dívida e pobreza. Nossa rica biodiversidade e patrimônio cultural está sendo patenteado e pirateado, privando nosso povo dos benefícios de seu próprio patrimônio e recursos. Quando as crises ambientais nos forçam a migrar para as cidades, também experimentamos perda de meios de vida devido à falta de acesso ao espaço urbano, materiais e novas formas de gestão urbana. Nossos corpos são afetados com tóxicos do consumo insustentável dos outros. O direito ao desenvolvimento sustentável deveria ser inalienável. Isso é vital para o empoderamento das mulheres e para preservar nosso planeta para as gerações futuras.”

A Declaração de Dhaka estabelece a visão das mulheres de que “Nossas economias locais têm sempre estado em harmonia com a natureza. Temos usado os recursos de forma prudente e os temos distribuído de forma eqüitativa. A SWAN acha que os agricultores e artesãos do mundo inteiro sempre têm trabalhado em conjunto com as estações e em harmonia com a natureza. Uma artesã leva com ela a sabedoria de gerações que não saquearam o planeta para obter lucros. Ela tem um profundo compromisso com a nutrição do mundo natural para sustentar os meios de vida. As únicas matérias primas necessárias para ter milhões de pessoas empregadas é um próspero meio ambiente verde com ricas florestas, pradarias, águas limpas e encostas intactas. A dignidade e criatividade do trabalho manual contribuem em grande forma com economias rurais sólidas. Esse trabalho das mulheres na região do Sul da Ásia inteira deve ser reconhecido por todos aqueles que desejam construir um mundo inclusivo e verdadeiramente integrado e equilibrado ecologicamente.

Hoje, aqueles que têm criado a crise ecológica falam em Economia Verde. Para eles, a Economia Verde significa apropriar-se dos recursos remanescentes do planeta para obterem lucros –das sementes e a biodiversidade até a terra e a água, bem como nossas habilidades, como os serviços ambientais que fornecemos.

Para nós, a privatização e mercantilização da natureza, suas espécies, seus ecossistemas e seus serviços ao ecossistema não podem fazer parte de uma Economia Verde, já que um enfoque assim não pode levar em conta nossas tradições. Os recursos da Terra são para o bem-estar de todos, não para os lucros de uns poucos.

Dividir nossos recursos vitais com eqüidade e usá-los de forma sustentável para a sobrevivência e necessidades básicas está no coração de nosso conceito de uma Economia Verde. Nosso rico conhecimento da biodiversidade, nossa agricultura ecologicamente sustentável e nossas técnicas de artesanato são livres de combustíveis fósseis e tóxicos. Geram meios de vida criativos e dignificados e fornecem a base para a mitigação da pobreza. Continuamos estando comprometidas com o fortalecimento dessas tradições que geram vida.

É de vital importância conscientizar sobre estes assuntos através da mídia e através do processo educativo que atinge os jovens e as crianças. A consciência sobre a Economia Verde e a importância de seus impactos diversos é essencial para permitir que todos os segmentos da sociedade façam escolhas informadas. Reconhecendo a face mudadora da mídia, a SWAN promove o uso de novos meios, incluindo ferramentas de formação de redes sociais para chegar até as mulheres do Sul da Ásia e apoiá-las em sua luta para satisfazer os desafios de garantir a Economia Verde para o desenvolvimento sustentável.

Nossas Economias Verdes são diversas e descentralizadas, e portanto são um caminho de empoderamento para todos. As mulheres são o depósito do conhecimento e fornecem a base cultural para criar e desenvolver economias que aumentem o bem-estar e a felicidade, a alegria e a beleza, a sustentabilidade e a eqüidade. É desde nossa região do Sul da Ásia que o conceito de Felicidade Interna Bruta se tem espalhado pelo mundo inteiro. Aprofundaremos esse conceito e o transformaremos na base da Economia Verde.”

Em uma época na que o assunto da Economia Verde está adquirindo impulso em fóruns regionais e multilaterais é crucial defender seu verdadeiro significado e para isso, as vozes dessas mulheres devem ser ouvidas altas.

Artigo baseado na Declaração de Dhaka: “SWAN (South Asia Women’s Network)’s Positions on an emerging Green Economy”, enviada por Vandana Shiva