Mouvement mondial pour les forêts tropicales

Soutenez Cacique Babau et sa famille

La défense de leur territoire met une nouvelle fois Cacique Babau, de la communauté Serra do Padeiro Tupinambá, État de Bahia (Brésil) en danger. Nous vous exhortons à soutenir cette lutte en signant cette lettre qui sera envoyée au Gouverneur de Bahia pour leur sécurité et leur protection.

Cacique Babau. Ph: CIMI.

La communauté de Serra do Padeiro, une des communautés tupinambas qui vivent dans le territoire indigène enclavé dans la Mata Atlántica dans l’État de Bahia. Depuis le XVIe siècle, quand le Brésil fut colonisé par les Portugais et qu’il commença à traverser des cycles d’exploitation capitaliste, ce territoire, parce qu’il est une des zones les mieux conservées de la région, a été la cible d’attaques des grands propriétaires terriens. Pour cette raison, l’histoire des tupinambas de la communauté est émaillée de massacres et de tentatives pour les expulser de leur territoire. Cependant, leur histoire est marquée surtout par les fortes luttes pour conserver ce qui est pour eux le plus sacré: les forêts qui couvrent les montagnes de la région et qui leur fournissent la nourriture, de l’eau en abondance, et un bon territoire pour vivre. Babau, le cacique de la communauté de Serra do Padeiro, résume cela en disant que le territoire est «la mère-terre, qui est formée de tout; la Mère-terre nous a laissé le fleuve qui est le lait qui nous nourrit, qui nous donne à boire, et la forêt, qui est notre toit et le banquet dont nous nous nourrissons». Pour les tupinambas, la conservation de la forêt, particulièrement abondante dans les montagnes, est essentielle aussi parce que la forêt est la demeure des ‘enchantés’ qui orientent les tupinambas au cours de leur vie ou, comme dit Babau, «les forêts représentent notre foi, notre culture, notre religion».

La défense de leur territoire met une nouvelle fois Babau, sa famille et sa communauté en danger. Nous vous exhortons à soutenir cette lutte en signant cette lettre qui sera envoyée au Gouverneur de Bahia pour leur sécurité et leur protection.

Lettre de soutien et de solidarité au cacique Babau et à sa famille
(Disponible uniquement en portugais):

Ao
Governador do Estado da Bahia – Rui Costa
Ministério Público Federal.

As entidades e pessoas abaixo assinadas vêm solicitar ao Governo do Estado da Bahia e ao Ministério Público Federal, segurança e proteção para o Cacique Babau e sua Família, pois há 519 anos, o povo tupinambá vem sendo violentado por forças amparadas no Estado e pela sociedade regional calcada na cobiça, através de expropriação e exploração dos territórios tradicionais, responsáveis por áreas de preservação da natureza e recursos naturais.

A Serra do Padeiro, onde vivem o Cacique Babau e sua família, diversas vezes atacadas, chama à atenção dos predadores, especialmente pela exuberância de Mata Atlântica preservada e suas riquezas associadas. Essa área além de ser território tradicional, garantido pela Constituição Federal de 1988, deve ser também, objeto de zelo e manutenção por tratar-se de Área de Mata Atlântica, uma das Florestas mais ricas em diversidade e ameaçadas do planeta!

Num passado não tão distante, uma das lideranças, do povo Tupinambá, conhecido como Caboclo Marcelino, foi perseguido, caluniado e “desaparecido misteriosamente”. E, ainda hoje, o movimento histórico mostra que a mesma estratégia vem sendo usada para incriminar e enredar outra liderança, utilizando-se, do processo construído sob a égide do preconceito, baseado em calúnias e difamações,  construídas por grupos com interesses econômicos ligados à exploração dos recursos naturais, que são, responsavelmente preservados por toda comunidade da Serra do Padeiro, pois a Natureza é para o Povo Tupinambá, o Grande Espírito que nutre o corpo e a alma de todos os seres vivos.

Os grupos interessados na área organizaram um plano de ação contra o Cacique e sua Família. De acordo com as informações amplamente divulgadas na imprensa, o plano foi traçado com a presença de fazendeiros, políticos e policiais civis e militares, que planejam incriminar falsamente os índios por tráfico de drogas e forjar troca de tiros que inclui matar o Cacique, os seus três irmãos e duas sobrinhas. Para o Cacique é como “matar duas vezes a mesma pessoa, tirar a vida e sujar o nome, pois somos veementemente contra o tráfico de drogas”.

O Brasil não pode continuar oprimindo e dizimando as populações indígenas, uma das riquezas culturais do País e da humanidade. O Estado não pode ser o exterminador dos povos para manter a lógica doente e abominável da cobiça e da ganancia que alimenta a doente ‘necessidade’ de poucos, e estes poucos, alimentam-se do sangue de populações inteiras. Assim, de todas as partes do Planeta, rogamos, pedimos, exigimos, o amparo da Lei e da Justiça na proteção da VIDA do Cacique Babau e sua família, bem como de toda a comunidade.

Fevereiro 2019

Soutenez Cacique Babau et sa famille

Ao
Governador do Estado da Bahia – Rui Costa
Ministério Público Federal.

As entidades e pessoas abaixo assinadas vêm solicitar ao Governo do Estado da Bahia e ao Ministério Público Federal, segurança e proteção para o Cacique Babau e sua Família, pois há 519 anos, o povo tupinambá vem sendo violentado por forças amparadas no Estado e pela sociedade regional calcada na cobiça, através de expropriação e exploração dos territórios tradicionais, responsáveis por áreas de preservação da natureza e recursos naturais.

A Serra do Padeiro, onde vivem o Cacique Babau e sua família, diversas vezes atacadas, chama à atenção dos predadores, especialmente pela exuberância de Mata Atlântica preservada e suas riquezas associadas. Essa área além de ser território tradicional, garantido pela Constituição Federal de 1988, deve ser também, objeto de zelo e manutenção por tratar-se de Área de Mata Atlântica, uma das Florestas mais ricas em diversidade e ameaçadas do planeta!

Num passado não tão distante, uma das lideranças, do povo Tupinambá, conhecido como Caboclo Marcelino, foi perseguido, caluniado e “desaparecido misteriosamente”. E, ainda hoje, o movimento histórico mostra que a mesma estratégia vem sendo usada para incriminar e enredar outra liderança, utilizando-se, do processo construído sob a égide do preconceito, baseado em calúnias e difamações, construídas por grupos com interesses econômicos ligados à exploração dos recursos naturais, que são, responsavelmente preservados por toda comunidade da Serra do Padeiro, pois a Natureza é para o Povo Tupinambá, o Grande Espírito que nutre o corpo e a alma de todos os seres vivos.

Os grupos interessados na área organizaram um plano de ação contra o Cacique e sua Família. De acordo com as informações amplamente divulgadas na imprensa, o plano foi traçado com a presença de fazendeiros, políticos e policiais civis e militares, que planejam incriminar falsamente os índios por tráfico de drogas e forjar troca de tiros que inclui matar o Cacique, os seus três irmãos e duas sobrinhas. Para o Cacique é como “matar duas vezes a mesma pessoa, tirar a vida e sujar o nome, pois somos veementemente contra o tráfico de drogas”.

O Brasil não pode continuar oprimindo e dizimando as populações indígenas, uma das riquezas culturais do País e da humanidade. O Estado não pode ser o exterminador dos povos para manter a lógica doente e abominável da cobiça e da ganancia que alimenta a doente ‘necessidade’ de poucos, e estes poucos, alimentam-se do sangue de populações inteiras. Assim, de todas as partes do Planeta, rogamos, pedimos, exigimos, o amparo da Lei e da Justiça na proteção da VIDA do Cacique Babau e sua família, bem como de toda a comunidade.

Fevereiro 2019

[your signature]

Partagez cette petition avec vos amis :

   

 

 

(*) Pour plus d’informations:

– La lutte du peuple tupinamba pour le territoire et la conservation de la forêt. (https://wrm.org.uy/fr/les-articles-du-bulletin-wrm/section1/bresil-la-lutte-du-peuple-tupinamba-pour-le-territoire-et-la-conservation-de-la-foret/)
– Brasil: liderança indígena Cacique Babau pede proteção após plano para matá-lo ser revelado. (https://racismoambiental.net.br/?s=babau&submit=OK)