World Rainforest Movement

Support Cacique Babau and his family

Cacique Babau, from Serra do Padeiro Tupinambá community, state of Bahia (Brazil), has been suffering repeated threats against him and his family. Faced with this worrying situation, people and social organizations, through a letter to Governor Rui Costa, demand that the state guarantee the safety of the Cacique and his family.
We urge you to sign-on the letter in solidarity (see form below).

Cacique Babau. Ph: CIMI

Serra do Padeiro community is one of the tupinambá communities within the indigenous territory in the heart of the Mata Atlántica forest in the state of Bahia. This forest area, one of the best preserved in the region, has been the target of attacks by large landowners since the 16th century, when Brazil was colonized by the Portuguese and was subjected to successive cycles of capitalist exploitation. The history of the tupinambá community has been marked by massacres and attempts of evictions. However, it has also been marked, above all, by their strong struggle to defend the most sacred for them: the forests that cover the hills of the region, providing abundant food and water and a good territory to live in. Babau, the chief of the Serra do Padeiro community, said that the territory is “mother earth, which is made up of everything. Mother earth gave us the river, which is the milk that nourishes us and gives us water to drink, and the forest, which is our roof and our banquet to feast on.” To the tupinambá people, the conservation of the forest, which is abundant on the higher slopes, is also essential because it is the dwelling of the ‘enchanted ones’ that guide the tupinambás during their life’s journey. As Babau said, the forests “represent our faith, our culture, our religion.” (*)

The defense of their territory once again puts Babau, his family and his community in danger. We urge you to support this struggle by signing-on the letter (in Portuguese) that will be sent to the Governor of Bahia for their safety and protection.

Ao
Governador do Estado da Bahia – Rui Costa
Ministério Público Federal.

As entidades e pessoas abaixo assinadas vêm solicitar ao Governo do Estado da Bahia e ao Ministério Público Federal, segurança e proteção para o Cacique Babau e sua Família, pois há 519 anos, o povo tupinambá vem sendo violentado por forças amparadas no Estado e pela sociedade regional calcada na cobiça, através de expropriação e exploração dos territórios tradicionais, responsáveis por áreas de preservação da natureza e recursos naturais.

A Serra do Padeiro, onde vivem o Cacique Babau e sua família, diversas vezes atacadas, chama à atenção dos predadores, especialmente pela exuberância de Mata Atlântica preservada e suas riquezas associadas. Essa área além de ser território tradicional, garantido pela Constituição Federal de 1988, deve ser também, objeto de zelo e manutenção por tratar-se de Área de Mata Atlântica, uma das Florestas mais ricas em diversidade e ameaçadas do planeta!

Num passado não tão distante, uma das lideranças, do povo Tupinambá, conhecido como Caboclo Marcelino, foi perseguido, caluniado e “desaparecido misteriosamente”. E, ainda hoje, o movimento histórico mostra que a mesma estratégia vem sendo usada para incriminar e enredar outra liderança, utilizando-se, do processo construído sob a égide do preconceito, baseado em calúnias e difamações,  construídas por grupos com interesses econômicos ligados à exploração dos recursos naturais, que são, responsavelmente preservados por toda comunidade da Serra do Padeiro, pois a Natureza é para o Povo Tupinambá, o Grande Espírito que nutre o corpo e a alma de todos os seres vivos.

Os grupos interessados na área organizaram um plano de ação contra o Cacique e sua Família. De acordo com as informações amplamente divulgadas na imprensa, o plano foi traçado com a presença de fazendeiros, políticos e policiais civis e militares, que planejam incriminar falsamente os índios por tráfico de drogas e forjar troca de tiros que inclui matar o Cacique, os seus três irmãos e duas sobrinhas. Para o Cacique é como “matar duas vezes a mesma pessoa, tirar a vida e sujar o nome, pois somos veementemente contra o tráfico de drogas”.

O Brasil não pode continuar oprimindo e dizimando as populações indígenas, uma das riquezas culturais do País e da humanidade. O Estado não pode ser o exterminador dos povos para manter a lógica doente e abominável da cobiça e da ganancia que alimenta a doente ‘necessidade’ de poucos, e estes poucos, alimentam-se do sangue de populações inteiras. Assim, de todas as partes do Planeta, rogamos, pedimos, exigimos, o amparo da Lei e da Justiça na proteção da VIDA do Cacique Babau e sua família, bem como de toda a comunidade.

Fevereiro 2019

Support Cacique Babau and his family

Ao
Governador do Estado da Bahia – Rui Costa
Ministério Público Federal.

As entidades e pessoas abaixo assinadas vêm solicitar ao Governo do Estado da Bahia e ao Ministério Público Federal, segurança e proteção para o Cacique Babau e sua Família, pois há 519 anos, o povo tupinambá vem sendo violentado por forças amparadas no Estado e pela sociedade regional calcada na cobiça, através de expropriação e exploração dos territórios tradicionais, responsáveis por áreas de preservação da natureza e recursos naturais.

A Serra do Padeiro, onde vivem o Cacique Babau e sua família, diversas vezes atacadas, chama à atenção dos predadores, especialmente pela exuberância de Mata Atlântica preservada e suas riquezas associadas. Essa área além de ser território tradicional, garantido pela Constituição Federal de 1988, deve ser também, objeto de zelo e manutenção por tratar-se de Área de Mata Atlântica, uma das Florestas mais ricas em diversidade e ameaçadas do planeta!

Num passado não tão distante, uma das lideranças, do povo Tupinambá, conhecido como Caboclo Marcelino, foi perseguido, caluniado e “desaparecido misteriosamente”. E, ainda hoje, o movimento histórico mostra que a mesma estratégia vem sendo usada para incriminar e enredar outra liderança, utilizando-se, do processo construído sob a égide do preconceito, baseado em calúnias e difamações, construídas por grupos com interesses econômicos ligados à exploração dos recursos naturais, que são, responsavelmente preservados por toda comunidade da Serra do Padeiro, pois a Natureza é para o Povo Tupinambá, o Grande Espírito que nutre o corpo e a alma de todos os seres vivos.

Os grupos interessados na área organizaram um plano de ação contra o Cacique e sua Família. De acordo com as informações amplamente divulgadas na imprensa, o plano foi traçado com a presença de fazendeiros, políticos e policiais civis e militares, que planejam incriminar falsamente os índios por tráfico de drogas e forjar troca de tiros que inclui matar o Cacique, os seus três irmãos e duas sobrinhas. Para o Cacique é como “matar duas vezes a mesma pessoa, tirar a vida e sujar o nome, pois somos veementemente contra o tráfico de drogas”.

O Brasil não pode continuar oprimindo e dizimando as populações indígenas, uma das riquezas culturais do País e da humanidade. O Estado não pode ser o exterminador dos povos para manter a lógica doente e abominável da cobiça e da ganancia que alimenta a doente ‘necessidade’ de poucos, e estes poucos, alimentam-se do sangue de populações inteiras. Assim, de todas as partes do Planeta, rogamos, pedimos, exigimos, o amparo da Lei e da Justiça na proteção da VIDA do Cacique Babau e sua família, bem como de toda a comunidade.

Fevereiro 2019

**your signature**

Share this with your friends:

   

(*) For further information:
– “The struggle of the tupinamba indigenous people to protect their territory and the conservation of forests
– “Brasil: liderança indígena Cacique Babau pede proteção após plano para matá-lo ser revelado
Tupinambá: pelo direito de viver