Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais

Corredores de resistência: freando oleodutos e gasodutos

PeA_Corridors_of_resistance - copiaDesde 2011, o acampamento dos indígenas Unist’ot’en, ​​no noroeste da Colúmbia Britânica, no Canadá, tem um ponto de controle do acesso a seu território, cujo objetivo é frear os planos do governo e da indústria para construir vários gasodutos e oleodutos. Esses dutos fazem parte de um corredor energético que servirá para desbloquear as vastas reservas de energia de areias betuminosas e transportar gás fraturado, com implicações desastrosas para as comunidades, os habitats locais e o clima. O acampamento foi criado para se opor a esses projetos, defender as nascentes sagradas dos rios e o salmão que desova nelas, e manter a autonomia dos Unist’ot’en. Um vídeo da rede EJOLT, um projeto de pesquisa para a justiça ambiental da sociedade civil e grupos acadêmicos, revela como o acampamento ​​está tendo êxito em sua luta e mantendo milhões de barris de combustíveis fósseis no solo. No outono de 2015, o acampamento continua em alerta máximo em meio a várias incursões das empresas que tentam construir os dutos. Como este vídeo destaca, os Unist’ot’en ​​fazem parte de um “corredor de resistência”, trabalhando em rede com vários movimentos por justiça que estão cada vez mais dispostos a agir contra projetos de energia extremos, e que estão construindo soberania energética a partir do zero.

Você pode ver o vídeo (em inglês) aqui:
https://www.youtube.com/watch?v=ZDR1l_Xw7ts&feature=youtu.be

O vídeo acompanha o relatório do EJOLT “Climate Justice: Refocusing resistance for climate justice. COPing in, COPing out and beyond Paris”. Acesse o relatório aqui:
http://www.ejolt.org/2015/09/refocusing-resistance-climate-justice-coping-coping-beyond-paris/