Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais

Projeto Ejolt apresenta relatório sobre o MDL na África


O Ejolt (Environmental Justice Organisations, Liabilities and Trade) é um projeto ambicioso de colaboração entre 23 entidades ativistas e integrantes do âmbito acadêmico para mapear os conflitos sobre a distribuição ecológica e produzir material que sirva às organizações de justiça ambiental em sua luta contra as injustiças ambiental e social (ver www.ejolt.org).

No marco do trabalho do Ejolt, foi publicada recentemente uma análise crítica com estudo de caso sobre o papel cumprido pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) na África. O MDL é um mecanismo concebido dentro do Protocolo de Kyoto, da Convenção sobre a Mudança Climática, que permite aos países poluidores do Norte investir em projetos que supostamente levariam à redução de gases do efeito estufa em países do Sul. Mas o que fez foi beneficiar as grandes empresas (do Norte e do Sul) e os governos que estas influenciam e os quais frequentemente controlam, com a África do Sul como caso ilustrativo.

O relatório The CDM in Africa Cannot Deliver the Money (PDF), produzido pela Universidade do Centro KwaZulu-Natal para a Sociedade Civil e pelo Projeto de Pesquisa sobre Justiça Climática do Instituto Dartmouth, explica porque o MDL é um fracasso.

Numerosas fontes de emissões de carbono na África – como a queima de gás derivada da extração de petróleo, a combustão de carvão para eletricidade, o desmatamento, para citar algumas – exigem uma atenção urgente, assim como a proliferação de “falsas soluções” para a crise climática – como as megarepresas, as plantações industriais de árvores ou os agrocombustíveis. O MDL financia essas atividades perigosas com fins lucrativos em toda a África, tornando-as mais rentáveis para as multinacionais, a maioria com sede na Europa, nos Estados Unidos ou na África do Sul.

Mais uma vez, quem acaba sendo prejudicado são as comunidades, assim como os trabalhadores e os ambientes locais. Mas surgiram diferentes tipos de resistência, que, em alguns casos, enfrentam a repressão ou a cooptação através de estratégias do tipo “divide e vencerás”.

O relatório pode ser lido em inglês em http://climateandcapitalism.com/files/2012/04/CDM-Africa-Cannot-Deliver.pdf