Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais

Nigéria: projeto de plantação de cacau ameaça florestas intocadas dos etaras e ekuri-eyeyengs

A região de florestas tropicais húmidas do estado de Cross River tem a maior área de floresta tropical no país. Aproximadamente 8.500 km2 são formados, em sua maioria, por florestas virgens, em parte de propriedade comunitária. Um total de 5.140 km2 de alta floresta tropical está designado como área protegida, formando o Parque Nacional Cross River, que ocupa 3.330 km2 de alta floresta, e as Reservas Florestais de 1.810 km2 onde as comunidades etara e ekuri-eyeyeng têm suas terras tradicionais.

O governo do estado nigeriano de Cross River é fiel depositário das terras dos etaras e dos ekuri-eyeyengs, em nome daquelas comunidades indígenas, para as quais a floresta é a mais importante fonte de sustento. É na floresta que elas encontram terras agricultáveis férteis e a madeira usada para construção local, e é lá que coletam a maior parte de produtos florestais não-madeireiros (PFNM) usados para alimentação, renda, artesanato local e medicina. A floresta também protege córregos e rios dos ciclos de seca, proporciona água limpa e é considerada pela comunidade como um lugar sagrado onde seus ancestrais estão sepultados.

Agora, a integridade dessa floresta e, assim, do sustento das comunidades, está ameaçada. Uma empresa conhecida como Southgate Cocoa Produce Limited está planejando adquirir uma área de 72,41 km2 de floresta tropical intocada situada completamente dentro da zona-tampão de floresta imediatamente contígua ao Parque Nacional Cross River, em terras florestais comunitárias etaras e ekuri-eyeyengs, com vistas a estabelecer plantações industriais de cacau. A organização nigeriana Rainforest Resource & Development Centre (RRDC) tem denunciado o projeto alegando que ele é “contrário aos interesses das comunidades indígenas”. Além disso, embora o uso de reservas florestais para plantar cacau seja contra a lei, não foi realizado qualquer Estudo de Impacto Ambiental (EIA). A RRDC alerta para o fato de que “a Reserva Florestal Cross River South é um ecossistema florestal intocado e intacto e, portanto, esse projeto é uma grave ameaça à integridade ecológica desse ecossistema e à adjacente Divisão Oban do Parque Nacional Cross River”.

A RRDC também afirma que a Southgate tem contatos com grandes grupos de interesse globais. Um desses grupos é Armajaro Trading Limited, uma subsidiária da Armajaro Holding, com sede em Londres, que compra e revende cacau, fornecendo-o a fabricantes de chocolate da Ásia, das Américas do Sul e do Norte e internacionalmente.

A RRDC lançou uma campanha por uma reação rápida para informar a Armajaro e/ou quaisquer outras partes ou parceiros estrangeiros que, diferentemente da informação que está sendo divulgada pela Southgate e seus agentes, a terra em questão está integralmente dentro da zona tampão adjacente da Divisão Oban do Parque Nacional Cross River e a área em questão é uma Floresta Tropical intocada e não uma “reserva degradada”, como afirma a empresa. O apelo pode ser enviado ao Governador do estado de Cross River, na Nigéria – Governor LiyelImoke, e-mail: limoke@crossriverstate.gov.ng; imokeliyel@yahoo.com-l.imoke@yahoo.com – e Armajaro: Richard.Ryan@Armajaro.com;Vince.McAleer@Armajaro.com.

Artigo baseado em informações envidadas por Odey Oyama, Rainforest Resource & Development Centre (RRDC), e-mail: rainforestcentre@yahoo.co.uk; odeyoyama@hotmail.com